Arquivo de etiquetas: Script Frenzy

Planos e Projectos (Semanário * Weekly 155)

Hoje começo por transmitir algo que já há umas semanas queria poder dizer: a página dos PROJECTOS está pronta!
Agora se passarem o rato pelo menu do topo, vão ver que existem várias sub-páginas, cada uma dedicada a um projecto meu.
Lá encontraram, resumos, curiosidades, informação e capas!
Já estava a trabalhar nisto há algum tempo, mas só hoje consegui terminar tudo e pôr online. Espero que gostem!
Os excertos terão de vir um pouco mais tarde, mas não devem tardar muito. Estou a pensar disponibilizá-los no blog mas também em formato pdf. Parece-vos boa ideia?

Além desta notícia de última hora posso também dizer que continuo a fazer o ScriptFrenzy e estou a divertir-me com a escrita do guião de banda desenhada para “Lobo & Dragão“.
Estou um pouco atrasada em relação à meta, mas nada que não se consiga recuperar se tudo correr bem. Conto com 18 páginas e a história começa a ganhar energia. Tenho é a sensação que quando chegar às 100 páginas nem 4 capítulos vou ter escritos. E isto quando planeio que o “Lobo & Dragão” tenha pelo menos uns vinte capítulos (provavelmente bastante mais).
Mas penso nisso quando chegar a altura, não vos parece?

Desculpem este semanário ser tão pequeno mas nem um excerto vou colocar. Ao invés fica a pergunta: Já visitaram os Projectos? Que acharam e, mais importante ainda, o que gostavam de ver lá mais?

Até para a semana!

*English*

Today I have to start by transmitting something I’ve been wanting to say for a while: The PROJECTS page is ready!
Now if you hover over the menu at the top, above Projects, you’ll see that there are several sub-pages, each dedicated to one of my projects.
There you’ll find synopsis, curiosities, information and covers!
I’ve been working on this for a while but only today did I finish it and manage to put it online. Hope you like it!
The excerpts will have to come later, but they shouldn’t be long. I’m thinking of making them available as posts and in pdf format. Does that sound good?

Aside from these last-minute-news I can say that I’m still doing ScriptFrenzy and having fu writing the comic script for “Wolf & Dragon”.
I’m a little behind on the page count, but it’s nothing I can’t recover with a  little determination. I have 18 pages written and the story is starting to pick up. Altough I have the feeling that by the time I reach the 100th page, I won’t even have 4 chapaters writer. And seeing as I’m planning “Wolf & Dragon” to have at least 20 chapters, that might be a problem.
But I’ll worry about that when the time comes, right?

I’m sorry that this Weekly Report is so short and I don’t even have an excerpt to show you. Instead here’s a question: Did you visit the Projects? What do you think, and, most importantly, what would you like to see there?

See you next week!

 

Nos meus outros blogs:
– Compras e Ofertas – Março 2012;
– “Graphic Storytelling and Visual Narrative“, Will Eisner;

Anúncios

2011

O ano transacto numa só palavra:
Fantasia

Fechada a cortina sobre o ano de 2011 é tempo de reflectir sobre o que se fez nos últimos doze meses.
No início do ano fiz uma lista com os meus objectivos. Vamos ver quantos cumpri?

Escrever 2 romances (1 entre Janeiro e Outubro, e outro durante o NaNoWriMo) – FEITO! Escrevi o “Dragões e seus Sacrifícios” e o “Não Apodreças nos meus Braços“.
Escrever 1 conto por mês (mínimo) – Não fiz, nem de perto nem de longe. Este ano escrevi muito poucos contos, em prole dos romances.
Terminar a noveleta que comecei em 2010 (romance paranormal) – FEITO! Mas a noveleta virou romance (Dragões e seus Sacrifícios)
Fazer revisão de “Através do Vidro” – FEITO! Mas ainda não estou satisfeita. Este romance anda agora na mão de hábeis proof-readers, antes de eu decidir se o arranjo ou se o arrumo.
Fazer revisão de “Alma” – Não fiz! Comecei, mas depois, por culpa daquela minha duvida sobre os pontos-de-vista, acabei por poucos progressos fazer. Fiz uma correcção ortográfica no primeiro rascunho/draft, mas isso não é revisão.
Sondar novas editoras com o “V.I.D.A.” (depois de dar mais uma vista de olhos no texto) – FEITO! Em duas rodadas. A aguardar respostas.
Sondar mais editoras com o “Angel Gabriel” – FEITO! E a desesperar à espera de respostas que nunca vem(virão).
Participar no ScriptFrenzy (com o guião para a BD que farei posteriormente durante o 24 Hour Comics) – FEITO! Não cheguei às 100 páginas, mas esse não era o meu objectivo, tal como estava escrito na lista, o que queria era escreevr o guião para uma BD de 24 páginas. Foi o “Visitante Indesejado“, mas acabei por não o usar no 24 Hour Comics.
Participar no NaNoWriMoFEITO! Terminei com 78.984 palavras no romance “Não Apodreças nos meus Braços
Fazer mais pesquisa (mitologia e história) – FEITO! Não tanta como gostaria, mas mais do que nos anos anteriores. Ainda tenho muito para aprender.
Tornar o blog “Caneta, Papel e Lápis” mais activo e interactivo – Não! Apesar de ter tentado criar um ambiente de maior reciprocidade com os Semanários (introduzindo questões), na verdade o blog tem estado mais parado, muito por culpa de eu ter escrito poucos contos e não ter escrito muitos artigos além-Semanários.
Continuar com o “Semanário”, mas de forma um pouco diferente – FEITO! Embora na prática não tenha alterado muito o formato, tentei dinamizá-lo um pouco, colocando questões, fornecendo links e tentando falar de temas que poderiam interessar a quem visitasse o blog, nomeadamente quanto a técnicas e dificuldades de escrita criativa.

No geral foi um bom ano em termos de escrita, para mim, mas não um bom ano para este blog, que ficou abandonado. O Semanário manteve-se sempre, mas fora isso poucas foram as actualizações e por isso peço desculpas.

Estive a fazer contas e em 2011 escrevi cerca de 165000 palavras de ficção. Isto até não parece muito (a mim), mas julgo ser mais do que nos anos anteriores e isto sem incluir revisões, sinopses, queries, posts, etc.
Também este ano publiquei um conto na fanzine NaNoZine, outro foi divulgado no blog A Viagem dos Argonautas, e outro no concurso Conte Connosco.
No geral, não foi um ano nada mau. Bem pelo contrário, sinto-me muito feliz com o que alcancei este ano, embora a publicação esteja ainda fora do meu alcance. Quem sabe 2012 não será um ano ainda melhor?

Balidos (Semanário 102)

Felizmente a ‘inércia’ da semana anterior foi-se, logo na 2ª-feira. Resultado, tive um dia muito produtivo.
O resto da semana foi mais calma, mas a produção de “Sacrifício” manteve-se a bom vapor. E pelo meio ria-me de cada vez que a barbicha (a cabra da história) balia. Isto porque acho a própria palavra ‘balir’ extremamente divertida. Não me perguntem porquê.

E passei para a terceira parte da história, onde grandes acontecimentos terão lugar e muitas coisas vão mudar. Sabe bem mexer com a história, e especialmente com as personagens.

Noutros assuntos, e como devem saber, no início do ano tinha decidido participar no ScriptFrenzy, mas vou ser realista. Na primeira semana de Abril vou estar tão que duvido que tenha sequer tempo para pensar, e a segunda semana promete não ser muito melhor. Depois há o Conversas Imaginárias, nos dias 16 e 17, e se tudo correr bem, no dia 15 vou ter de estar na 7ª Mostra de Arte Jovem de Barcelos. fazendo bem as contas, eu só teria metade do mês para trabalhar no meu guião, e não sei se esse tempo me chegará.
Por tudo isto ainda não me decidi a inscrever no site do ScriptFrenzy,embora me sinta mal por sequer pensar em não participar, a verdade é que Abril vai ser um mês do pior, tanto profissional como pessoalmente. Bem, até ao fim de Março vou ter de me decidir.
Já agora, alguém de Portugal vai particpar?

No Floresta de Livros:
– ::Conto:: The Princess & the Penis (eu não me enganei no título, não :):
– ::Filme:: Entrelaçados;
–  Booking through Thursdays – Multifacetados;
– “A Guerra dos Tronos“, de George R.R. Martin.

No exterior:
How to be your own intern, no Writer Unboxed (há coisas que eu acho que não era capaz de fazer, e uma delas era dar o meu trabalho de escrita a fazer a outra pessoa. Sou muito possessiva nesse aspecto);
Viagens de João Barreiros I, no Montag: by their covers (para vermos como os autores não têm voto na matérias das capas);
Brave new whatever, no Writer Unboxed (publicação digital vs publicação tradicional);
The Focus Group, no Writer Unboxed;

(Semanário 100)

Mas que grande número!

100

Para mim esta é um data especial, pois, desde que inaugurei este blog, as únicas semanas em que não escrevi um “semanário” foram durante o NaNoWriMo ou o ScriptFrenzy, ou quando estive de férias (e todos sabem que eu raramente vou de férias).

Semanas houve que pouco (ou mesmo nada) tive a dizer. Outra praticamente explodiram de excitação, com o alcance de vários objectivos e metas. Não me arrependo nem por um dia do momento em que decidi criar este ‘cantinho’ semanal, pois com ele cresci bastante, e por ele mantive-me a trabalhar (com vergonha de vir para aqui dizer que não tinha feito nada).
Assim sendo, espero manter-me nesta rubrica durante bastante mais tempo, mas quem sabe o que o futuro nos reserva?

Mas voltando ao que se passou na semana que findou: Comecei bem a semana a escrever bastante para o “Sacrifício“. Também fiz mais pesquisa (no seguimento da semana anterior), especialmente no ramo do vestuário da época e sobre cabras (não perguntem …).
Finalmente começo a ver um aprofundamento da cumplicidade entre os meus protagonistas, que quis que não fosse demasiado abrupto (normalmente nos romances eles caem nos braços um do outro mal se vêem pela primeira vez, o que eu acho ridículo, talvez por não acreditar em nada para além de atracção à primeira vista).
Enfim, aos poucos os dois vão-se conhecendo e adaptando e em breve espero que a simpatia entre ambos fique natural o suficiente para outros sentimentos surgirem entre eles. Química, tem de haver tanto na realidade como na ficção. E como esta história é praticamente focada totalmente nestes dois, é bom que esta exista em abundância nas páginas que escrevo.

Mas mais que isso, ao contrário do que eu esperava quando comecei a escrever esta história, ela não se vai tornar um romance paranormal, daqueles cheios de cenas impróprias para menores, pois felizmente consegui reduzir isso (não que seja mau noutras histórias, mas eu não queria muito saturar a história só com romance/sexo e pouco mais). Felizmente consegui deslindar uma trama central que ainda agora começo a conhecer com uma certa profundidade, e que me permitirá continuar com o romance, mas não deixar que isso inunde a história e a afogue.
Ou, pelo menos, é isso que pretendo.

No Floresta de Livros:
– “Irresistible Forces“, de Brenda Jackson;
– “A Nona Chave“, de Meg Cabot;
– Booking Through Thursdays – Algo Velho, Algo Novo;

No exterior:
A Insolvência das palavras, no Cadernos de Daath;
Is Authorial Voice Different From Character Voice?, no WordPlay
More on the War, no Writer Unboxed;
O tempo do Escritor, no Horas Extraordinárias;
Don’t tell me what I already know, no blog da Rachel Vincent;
Learning to rewrite, no Writer Unboxed;
Why, Oh Why?, no Writer Unboxed;

E depois temos a ‘fogueira’ da semana: Em resposta a esta entrevista do Fábio Ventura, o David Sores deu esta resposta e o Fábio ripostou com esta. Também no The Tale of the Bamboo Cutter tivemos uma opinião em resposta ao anteriormente apresentado, e ainda a Madalena Santos (sem referir nomes dos interveninetes) fez saber a sua opinão.
Dispenso-me a comentar (pois já o fiz no devido local), mas estas coisas estão sempre a acontecer no fantástico português, ou sou eu que imagino coisas?

Semanário 63

Mais uma semana que passou sem avanços na escrita. Não me perguntem o que se passa, porque nem eu sei. Só sei que o muso foi de férias e não está com vontade de regressar. Parece que tenho aversão às teclas.

Mas isto vai mudar. Ai vai, vai, nem que seja à força!

E à força será! *inserir evil laughter of doom*
Pois é, assim sem planos, sem muita consciência do que estou a fazer e no que me vou meter, vou mais uma vez tentar a minha sorte com o irmão mais novo do NaNoWriMo.

Quer vence, quer falhe, ao menos tento.
E, como não poderia deixar de ser, vou ser rebelde e escrever Novelas Gráficas / Bandas Desenhadas, para contrarias as tendências maioritárias.
Ainda antes do fim do mês colocarei aqui um post mais exaustivo sobre o que pretendo fazer e, vou seguir o exemplo do NaNoWriMo, fazendo um diário, para também me “obrigar” a escrever todos os dias.
Veremos como correm as coisas.
Quem mais aceitou o desafio? E o que vão fazer? Guião de filme, série, teatro, novela gráfica (como aqui a rebelde)?

Vemo-nos por aí.

A semana passada na Floresta de Livros:
Lolita de Vladimir Nabokov;
Castle (série TV);
Legend of the seeker (série TV).

Semanário 62

Na semana em que se comemorou o dia da árvore e, simultâneamente, o da poesia, eu escrevi um pequeno post na Floresta de Livros. Nada de extraordinário, mas não quis deixar a data passar em branco.

Ainda estou com dúvidas sobre se devo ou não participar no ScriptFrenzy, porque, como já disse, não sei se terei oportunidade de chegar ao fim. Quero muito, e ideias nunca faltam, mas o tempo, AI! o tempo não perdoa e eu tenho tantas outras prioridades.

Ainda me vou decidir até ao fim da semana, mas a menos que algo mude, se calhar não vou envererar por aí este ano, o que não quer dizer que não vá apoiar os outro portugueses e, quem sabe, não participo nas Script-meets (se estas vierem a acontecer.)
Queria tanto …

Noutra nota, esta foi mais uma semana parada no tempo, e na escrita, como não poderia deixar de ser. O que fiz entretanto? Boa pergunta! Sabem aqueles dias em que o tempo voa e parece que não fazemos nada? Pois, eu ando numa dessas fases e depois enervo-me comigo mesma, o que é, também, uma perda de tempo.

Por falar em escrever, já é a terceira semana em que não publico nenhum conto ou excerto aqui no blog, e isso não pode ser. Faltam-me ideias para curtas. O muso está de férias (Preguiçoso!).
Ainda tenho ideias de compensar, e a ver vamos se consigo no futuro próximo fazer isso. Além de que quero dinamizar o blog com mais posts, porque anda tudo muito paradinho por aqui e não pode ser.
Ideias-base tenho, mas falta o conteúdo e talvez um pouco da iniciativa. Ando num estado letárgico que promete estragar-me todos os planos. Tenho de começar a mexer os pausinhos da minha vida para ver se as coisas mudam.

E fico por aqui. Esta semana ainda devo dar notícias sobre o ScriptFrenzy. Quem sabe não me lembro e me atiro de cabeça, como já aconteceu tantas vezes (noutras coisas).

A semana passada na Floresta de Livros:
Compras 13;
Uma árvore e um poema.

Semanário 61

Uma semana dedicada totalmente aos arranjos finais da novela gráfica Que sorte a minha, publicada entre 2006 e 2007 no Jornal Barcelos Popular, feita em co-autoria com a Natacha Salgueiro.

Quando falo em arranjos finais, falo em pintura digital e pouco mais, nada que realmente tenha a ver com a escrita, mas que me ocupou algum tempo. Em breve vou tentar enviá-lo para editoras, para ver se alguém quer publicar. Veremos se temos sorte.

Entretanto, enquanto revia o passado desta novela gráfica, dei por mim a ler a primeira versão deste projecto (que não foi a publicada).
Intriguei-me ao reparar que, enquanto na 1ª versão usava muito mais da comédia e até do nonsense, na 2º versão (a publicada) tudo tinha um som bastante mais sério e a comédia passou para segundo, e quase terceiro plano. A verdade é que não me considero muito imaginativa na arte de provocar risadas e isso notou-se muito desde aí. Não é que a história tenha ficada má por isso, mas confesso que a principio criei aquilo com o intuito de fazer rir, e no fim acabei com algo que quase trazia lágrimas ao olhos (notem o quase). Fiquei com saudades dos tempos em que conseguia escrever comédia sem pensar muito nisso, enquanto agora acho extremamente difícil fazê-lo sem achar tais cenas despropositadas e ter vontade de as eliminar quase instantaneamente.
Mudei como pessoa, e consequentemete mudei enquanto escritora, enquanto artista, e acho agora que perdi uma parte de mim que ficou para trás no tempo. Uma parte que gostava de escrever coisas divertidas, mesmo que elas não fizessem muito sentido, assim como aquela parte de mim que era capaz de escrever  páginas e páginas seguidas de diálogo, sem uma réstia de narrativa pelo meio.
Posso ter melhorado em muitas coisas, mas no entretanto perdi algo e acho que sinto falta disso.

Um dia quero escrever uma comédia, e, um dia quero voltar a escrever diálogos tão fluídos que nem precisem de narração para se conjugarem, mas nunca quero perder o que ganhei entretanto, apenas amadurecer e esperar que daqui a uns anos não volte atrás e pense que sinto saudades do tempo em que escrevia assim, pois embora as mudanças sejam boas, é triste sentir que se perdeu algo para poder adquirir outra coisa de igual valor, mas que nunca substituirá o que estava lá anteriormente.

A semana passada na Floresta de Livros:
Chovem almôndegas

Artigos que me chamaram a atenção esta semana:
Fear of sucess for writers

P.S.: Alguém vai participar no ScriptFrenzy? Eu ainda não sei ao certo porque estou com medo de não conseguir chegar ao fim, como no ano passado.