Arquivo de etiquetas: novembro

Dose diária 19

Hoje foi uma daqueles dias em que de manhã, a gente à tarde, não pode sair à noite.
Sabem do que falo?
Pois … de manhã dormi até não poder mais. Há dias assim, em que acordo mais cansada do que me deito (embora em toda a verdade me tenha deitado muito esgotada). Ou seja, de manhã nem uma palavra escrevi. No meu intervalo do trabalho, fui às compras. Mais zero palavras. Depois há noite cheguei a casa, toma banho e não toma, janta e não janta … lá me sentei eu ao computador, pronta a escrever. Mas depois uma amiga minha começa a teclar comigo no MSN e conversa puxa conversa … bem … foi um desastre. Escrevi quê? 300 palavras?
Se ao menos contailizasse o que teclei no MSN, já tinha cota do dia, mas não.

Amanhã é outro dia, não é? E ainda por cima sexta-feira. Pode ser, que desta vez, aproveite bem o tempo livre e lá apanhe a contagem. Ou então fica como nas outras semanas em que recupero no sábado, durante a NaNo-meet.

Entretanto ainda andei a explorar o Lulu.com e tive umas ideias interessantes para prendas de Natal, e melhor do que isso, para auto-prendas.  Talvez em Dezembro volte lá para colocar tudo isso em prática. Afinal Novembro não é a melhor altura para pensar nisso.

Contagem “Através do vidro“: 5 802 palavras.
Contagem total: 29 207 palavras.

Anúncios

No Plot? No Problem!

NoPlotNoProblem“No Plot? No Problem!” de Chris Baty
(o livro oficial do NaNoWriMo)

Esta opinião está agora hospedada na Floresta de Livros.

Nota final: 6/10

NaNoWriMo 2009

NaNoWriMo 2009
NaNoWriMo 2009

Sim eu sei que é cedo, mas que querem? O NaNoWriMo 2009 já nada na boca de toda a gente. (pelo menos dos que participaram no anos transacto) e eu não podia deixar de fazer publicidade gratuita, até porque, como já devem ter adivinhado, eu vou fazer os possíveis e os impossíveis por participar este ano e completar a tarefa com honra.

Ainda não sei qual é a novela que vou escrever, mas as hipóteses mais certas são:
– V.I.D.A.
– Através do vidro
– No limiar da vida
– PFA (título temporário)

Estou bastante indecisa porque tinha ideias de fazer o “No limiar da vida” este ano, mas muito sinceramente estou mais inclinada para o “PFA“, cujo maior problema é mesmo o facto de ainda ter de fazer muito pesquisa antes de me sentir confortável a escrevê-lo. Caso escolha o “V.I.D.A.” é bastante provável que não chegue às 50 000 palvras (o desafio) e então irei também incluir o “Através do vidro” na equação.

Bem, ainda tenho dois meses para decidir. Daqui até lá se calhar ainda tenho outro rasgo de imaginação e acabo a escrever algo que não tem nada a ver com o referido a cima. Mas espero que não porque gostava de avançar com um destes.

O “Vermelho Sangue” e o “Alma” também fazem parte da lista, mas é muito menos provável que escolha um destes dois, não por falta de gosto, mas por estar mais virada para os quatro acima mencionados. Veremos…

Quem vai entrar no NaNoWriMo deste ano? Já sabem o que vão escrever?

P.S.: Também vou participar no 24 Hour Comics a 3 de Outubro. Mais alguém?

NaNoWriMo 2008 – Depois do fim

O NaNoWriMo (National Novel Writing Month) terminou, oficialmente, ontem às 23:59h. Eu participei no desafio com o nick DreamGazer, propondo-me a escrever “Angel Gabriel“, uma história que já me preenchia o subconsciente desde 2005.
Photobucket
Tudo começou com o esboço de uma nova personagem, à qual rapidamente dei o nome de Angel. No mesmo dia esbocei outras duas personagens, Gabriel e Catalysm. A história tomou posse de mim e, antes mesmo de me aperceber, tinha desenhado outras tantas personagens e criado um mundo novo. Sonhei criar uma novela gráfica com essas ideias e cheguei até a escrever o guião para as primeiras páginas. Mas no final, dei-me conta de que a minha arte estava muito aquém do design que gostaria de dar à história, e decidi então adiar o projecto.
Vários anos se passaram e a ideia de escrever um livro com a história foi crescendo, até se tornar uma decisão.

No dia 26 e Outubro de 2007 vi uma mensagem do Livejournal, onde falavam do NaNoWriMo. Já tinha ouvido falar deste evento no ano de 2007, e tinha despertado o meu interesse, mas no ano transacto já tinha ido demasiado tarde para juntar-me à demanda.
Sem pensar muito nisso, no dia 28 de Outubro inscrevi-me no desafio. Tive dúvidas, preocupações e, acima de tudo, uma ideia fixa de que não iria nunca conseguir alcançar as 50 000 palavras até ao final do mês de Novembro. Mas, arrojada como sempre, decidi que não perdia nada em tentar e atirei-me de cabeça, esperando não parti-la no processo.

A primeira semana foi algo parecido a um suplício. Era o início, algo que sempre considerei como sendo uma das partes mais difíceis de escrever. Há que cativar o interesse nas primeiras páginas, há que decidir o momento certo para iniciar a história, há que introduzir as personagens e, mais importante de tudo, temos de nos adaptar a expressar essas personagens, que embora eu já conhecesse tão bem, nunca deixaram de me surpreender.

Na segunda semana, senti-me muito mais motivada, mas como a primeira semana não tinha corrido muito bem, tive que aumentar o número de palavras escritas diariamente para poder estar a par da contagem do NaNoWriMo. Novas personagens surgiram e o desenrolar foi mais intenso e interessante.

A terceira semana foi como se um vento forte me empurrasse para a frente. Foi a melhor semana, a que fluiu com mais intensidade, a que me deu mais prazer escrever. As personagens surpreendiam-me a cada capítulo, como se tivessem vida própria.

A quarta semana não desapontou e fluiu quase tão bem como a que a antecedeu. Alcancei as almejadas 50 000 palavras no dia 27 de Novembro, quinta-feira, três dias antes do final definitivo do desafio. “Angel Gabriel” estava ainda longe da sua conclusão, mas mais de metade da história estava agora exposta no ecrã e não somente no mais recôndito do meu cérebro. Foi uma alegria, uma vitória, uma lição de perseverança que decidi ensinar a mim mesma.

Nos dois dias seguintes não escrevi muitas mais palavras, mas tive sempre presente aquela necessidade de terminar o que tinha começado. Dezembro será um mês para continuar a escrever, além de outras coisas que deixei de lado, em prole do NaNoWriMo em Novembro.
Desejo mesmo terminar “Angel Gabriel” antes do final do ano, e, agora, depois de tudo isto, sinto que o posso fazer, se tiver a força de vontade necessária. Se o fizer, terei voltado a surpreender-me comigo mesma e será mais uma vitória, mais um acto que me fará sentir capaz.

Para mim, o NaNoWriMo, assim como outros desafios que aceitei e venci, foi uma lição de vida. Uma lição que me deu a entender que se me propuser a algo e se me dedicar e esforçar, posso atingir TUDO o que queira, sem excepções.

E porque sonhar é viver, continuarei a fazer estas, ditas, loucuras e a rejubilar com os resultados. Parar é morrer!

Aqui fica, para os interessados e/ou curiosos, um resumo do que é “Angel Gabriel“:

Num mundo dominado por vampiros, os humanos são escassos e vivem em colónias. Recorrendo à magia têm conseguido sobreviver nas últimas décadas, mas os vampiros estão cada vez mais desesperados, cada vez mais propensos a cometer loucuras e atacar em conjunto, algo que não fazem por hábito. No meio do caos, uma feiticeira sacrifica-se para que um dos primeiros vampiros fique impedido de se alimentar de humanos. Esse vampiro é Gabriel.
O feitiço permite-lhe somente uma excepção, a filha da própria feiticeira, Angel.
Gabriel tem no entanto de conter a sua fome pois se Angel morrer, a sua existência terminará também.
Os dois formam um pacto, para tentar encontrar uma feiticeira suficientemente poderosa para quebrar a maldição que afecta os dois.

Em breve devo colocar um ou outro excerto da história.