Arquivo de etiquetas: Barcelos Popular

Entrevistas e NaNoWriMo!

O blgo tem andado um pouco abandonado recentemente mas isso está prestes a mudar e vocês já devem saber porquê: NaNoWriMo!
É verdade, Novembro já está a chegar outra vez e com ele vem o National Novel Writing Month.

Este ano vou escrever o romance que intitulei, temporariamente, de “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura“, e é parte Fantasia Urbana, parte Romance Paranormal. passa-se nas belíssimas paisagens do Gerês e vai-se focar na Alana e no Giorgio. Ele é um vampiro (calma, não atirem á os tomates!) e ela é uma kitsune (deusa/espírito-raposa). E tudo se passa num instituto que é uma espécie de Escola do Professor Xavier, à moda tuga, e com criaturas paranormais em vez de mutantes. E só agora me lembrei que o Ricardo, que é quem gere o instituto, é careca. Ehehehe! Juro que não foi propositado.

Capa Nanowrimo b_
Se quiserem saber um pouco mais sobre o casalinho podem dar uma leitura a um conto que escrevi com os dois, há usn anos atrás: Prato Principal.
Outros contos no mesmo instituto são: Celibato e Aparências.

E podem contar com actualizações diárias no blog. Vou dar o meu melhor para cumprir este objectivo!

Eu falo um pouco mais no projecto neste vídeo:

Noutra nota,recentemente dei duas entrevistas, uma no blog Livros nas Estrelas, e outra no Jornal Barcelos Popular. Fica a imagem do segundo em baixo.

Entrevista no Barcelos Popular - 2014/10/30
Entrevista no Barcelos Popular – 2014/10/30

Percurso na escrita de Guião para BD – Parte 2

A segunda parte de “Percurso na escrita de Guião para BD” debruça-se sobre a banda desenhada “Que Sorte a Minha“, que fiz em colaboração com a Natacha Salgueiro, e que foi publicada integralmente no Jornal Barcelos Popular, entre 2006 e 2007.
Este vídeo é longo! Depois não digam que não avisei. 🙂

Semanário 61

Uma semana dedicada totalmente aos arranjos finais da novela gráfica Que sorte a minha, publicada entre 2006 e 2007 no Jornal Barcelos Popular, feita em co-autoria com a Natacha Salgueiro.

Quando falo em arranjos finais, falo em pintura digital e pouco mais, nada que realmente tenha a ver com a escrita, mas que me ocupou algum tempo. Em breve vou tentar enviá-lo para editoras, para ver se alguém quer publicar. Veremos se temos sorte.

Entretanto, enquanto revia o passado desta novela gráfica, dei por mim a ler a primeira versão deste projecto (que não foi a publicada).
Intriguei-me ao reparar que, enquanto na 1ª versão usava muito mais da comédia e até do nonsense, na 2º versão (a publicada) tudo tinha um som bastante mais sério e a comédia passou para segundo, e quase terceiro plano. A verdade é que não me considero muito imaginativa na arte de provocar risadas e isso notou-se muito desde aí. Não é que a história tenha ficada má por isso, mas confesso que a principio criei aquilo com o intuito de fazer rir, e no fim acabei com algo que quase trazia lágrimas ao olhos (notem o quase). Fiquei com saudades dos tempos em que conseguia escrever comédia sem pensar muito nisso, enquanto agora acho extremamente difícil fazê-lo sem achar tais cenas despropositadas e ter vontade de as eliminar quase instantaneamente.
Mudei como pessoa, e consequentemete mudei enquanto escritora, enquanto artista, e acho agora que perdi uma parte de mim que ficou para trás no tempo. Uma parte que gostava de escrever coisas divertidas, mesmo que elas não fizessem muito sentido, assim como aquela parte de mim que era capaz de escrever  páginas e páginas seguidas de diálogo, sem uma réstia de narrativa pelo meio.
Posso ter melhorado em muitas coisas, mas no entretanto perdi algo e acho que sinto falta disso.

Um dia quero escrever uma comédia, e, um dia quero voltar a escrever diálogos tão fluídos que nem precisem de narração para se conjugarem, mas nunca quero perder o que ganhei entretanto, apenas amadurecer e esperar que daqui a uns anos não volte atrás e pense que sinto saudades do tempo em que escrevia assim, pois embora as mudanças sejam boas, é triste sentir que se perdeu algo para poder adquirir outra coisa de igual valor, mas que nunca substituirá o que estava lá anteriormente.

A semana passada na Floresta de Livros:
Chovem almôndegas

Artigos que me chamaram a atenção esta semana:
Fear of sucess for writers

P.S.: Alguém vai participar no ScriptFrenzy? Eu ainda não sei ao certo porque estou com medo de não conseguir chegar ao fim, como no ano passado.