Arquivo da categoria: Semanário

Dragões, Dragões e mais Dragões * Dragons, Dragons and more Dragons

Semanário 171

Apanhar um escaldão enquanto faço revisões de um romance, não estava nos meus planos de vida, mas o destino tem destas coisas.
Então no fim-de-semana fui ajudar a minha mãe numa feira-de-artesanato e estava um solinho bem bom. Pus potector solar 3 ou 4 vezes porque quem me vir sabe que eu sou mais branca que o leite, e daí julguei-me protegida enquanto revia o “Dragões e seus Sacrifícios“. Mas julgam que o sol me poupou. Está bem, está. Fritou-me!
Se me perguntarem se valeu a pena a minha resposta será dúbia. É que a revisão correu bem, mas ainda hoje me doem os ombros sempre que lhes toco.
Infelizmente isso também serviu para provar que, mais uma vez falhei no objectivo. Não completei as revisões do romance no tempo definido e isso deixa-me um pouco triste mas, como estou no bom caminho não estou muito aflita.

Noutras notícias, hoje terminei o conto para submeter à Antologia Dragões (Editora Draco), que intitulei de “Maçãs de Ouro” (confesso que não é o meu melhor título).
No total ficou com 6920 palavras (que para mim é gigantesco!) e embora não seja o meu melhor conto, até acho que ficou interessante.

Ou seja: Dragões, Dragões e mais Dragões!

E vejamos agora se ainda consigo terminar um conto para a Terrir Assassinos e, claro, não me posso esquecer que dentro de … 3 minutos(!?!) começa o Camp NaNoWriMo. Estou no ir!

Beijinhos e, para finalizar digam-me o que estão a escrever ou ler neste momento. Citações são aceites e bem-vindas.

 

*English version will be available soon, and I apologise for the fact that the last few weeks this hasn’t been done. *

Anúncios

A electricidade está no ar * The electricity is in the air

Para quem não viu o artigo anterior, começo por repetir a boa nova: O meu conto “Electro-Dependência” será publicado na antologia “Lisboa Electropunk” (coordenada pelo João Barreiros, a ser lançada pela Saída de Emergência no final de Novembro deste ano, no Fórum Fantástico (23 a 25 de Novembro).E por isso, como devem adivinhar estou felicíssima. Posso não ter publicado um romance, mas já vou poder dizer que tenho algo publicado (sem tirar mérito às fanzines nas quais participei, porque abençoadas sejam).
Infelizmente ainda não sei mais nada sobre a antologia “Erótica Fantástica” da Draco, mas assim que souber digo alguma coisinha.
E porque estamos a falar de antologias, eu continua a trabalhar no que espero venha a ser a minha submissão para antologia Dragões da Draco. Tive dois dias em que escrevi muito bem para o conto e por isso já está muito bem encaminhado, mas ainda não está terminado. escrever um conto com 5000 a 8000 palavras não é tão fácil quanto às vezes parece.

As restantes antologias, infelizmente parece que vão ficar para trás, embora pretenda usar algumas das ideias que já tinha para escrever os contos em Agosto, durante o camp NaNoWriMo. Já estive a compilar uma lista de algumas (muitas) ideias que tenho para contos, de forma a quando a altura chegar, não me faltarem histórias para contar. A minha intenção é, não só escrever para antologias  futuras, mas também experimentar conceitos diferentes, histórias diferentes e escrever alguns contos para o blog, se tudo correr bem, pois já há muito tempo que não coloco nada de original aqui.
Para quem tiver curiosidade em ver o meu progresso em Agosto, fica aqui o meu perfil no Camp NaNoWriMo, embora possam contar, como sempre, com actualizações semanais aqui no blog.
E porque gosto sempre de terminar com uma questão, aqui fica a desta semana: Lêem muitas/algumas antologias? Porquê?
*English version will be available soon, and I apologise for the fact that the last few weeks this hasn’t been done. *

Fadas e Dragões * Fairies and Dragons

Semanário 169

Por vezes queremos inovar tanto que acabamos por nos desviar totalmente do caminho que originalmente traçamos.
Já vos aconteceu?

Com várias antologias a fecharem portas em breve, estive a organizar as ideias que tinha para contos e a tomar decisões sobre quais escrever e quais deixar para mais tarde. O que mais vontade me deu para escrever foi o para a Antologia Dragões, cuja data de submissão é até ao final do mês.
Pois acontece que eu queria uma história diferente, queria algo que fosse mais longe do que o normal e a ideia apareceu. Rendi-me a ela de imediato, mas assim que comecei a escrever surgiu um problema: Quis testar algo diferente e isso resultou em que já não sei se os meus dragões poderão vir a ser considerados não-dragões. É que, digamos que os meus dragões além de minúsculos e um pouco patéticos, também passam a maior parte do dia numa forma não muito … dragonesca.
Mas enfim, passado esse medo inicial e como até gostei da ideia, lá continuei a escrever e a coisa está a andar bem (embora eu quisesse escrever mais rápido).
Mas depois surgiu outro problema: Não me lembrava que pediam entre 5000 a 8000 palavras. Isso é muito para um conto! E agora estou na dúvida se tenho história para isso tudo. Ou melhor, história tenho, mas e o resto?

Outras ideias também se forma reformando para outras antologias, mas o meu medo é que, como deixei tudo para a última da hora (para não variar) talvez não consiga escrevê-los todos a tempo.
Pois bem, ao menos fico com várias ideias para o Camp NaNoWriMo em Agosto, que planeio ‘usar’ para escrever vários contos. Mais alguém vai participar?

Infelizmente tudo isto fez com que não tivesse muito tempo para revisões e o “Dragões e seus Sacrifícios” passou para segundo plano por uns dias. Espero regressar a ele em breve.

E por hoje é tudo o que tenho para contar. Deixem os vossos comentários e contem-me como estão a correr as vossas escritas.

Nota: A partir desta semana vou tentar trazer sempre uma nova imagem (foto ou desenho da minha autoria) juntamente com o “Semanário” que de alguma forma transmita algo sobre a escrita que fiz nessa semana.
Como esta semana escrevi algo sobre borboletas, achei que era uma boa altura para começar. Espero que vos agrade.

*English version will be available soon, and I apologise for the fact that the last few weeks this hasn’t been done. *

Nos meus outros blogs * On my other blogs:
-Compras e Ofertas – Junho 2012;
Passadeira solidária da Liga Portuguesa contra o Cancro;
– Wizard’s How to Draw: The Best of Basic Training Storytelling;
– “Habibi“, de Craig Thompson;

Fez-se luz * A light went on

Semanário 168

Em algum momento nos últimos dias ouvi ou li algo do género: «Há um momento em que a história faz clique» e embora isto me aconteça constantemente (com todas as histórias) só quando esse »clique» regressa me lembro que estava à espera dele.

No domingo que passou (2012-07-08) a queridíssima ACSilva (‘promotora’ do NaNoWriMo no Porto) decidiu dar um pequeno workshop de escrita para uma pequena plateia muito atenta (o pessoal do NaNoWriMo porto). Ávida leitora e talentosa escritora, a ACSilva focou a sua ‘aula’ na estrutura da história (ficção), no caso em 4 actos e 7 cenas-fulcrais (tipo StoryWonk).
Depois de nos falar por alto de estruturas narrativas e nos dar vários exemplos, a ACSilva desafiou-nos a definir a estrutura de uma das nossas histórias de acordo com esse esquema (4 actos, 7 cenas-fulcrais), ou melhor, a redescobrir uma das nossas histórias dessa forma, quer uma que já tivéssemos escrito ou uma que estivéssemos a planear escrever.
Como nunca fui uma pessoa tão organizadora que chegasse a fazer estruturas (que não as na minha cabeça), vi-me inicialmente um pouco às aranhas.
Escolhi o “Angel Gabriel” para exemplo e lá fui escrevendo as cenas e os actos (não vou colocar aqui pois contém pormenores sobre o final), a custo. À medida que o fazia alguns dos erros que eu já havia percepcionado antes tornaram-se ainda mais notórios. Particularmente no que diz respeito ao início da trama.
Terminada a tarefa passei o ‘plano de combate’ à ‘professora’. O que ela me disse fez todo o sentido e, adivinhem, foi nesse momento que se fez um «clique».

Angel Gabriel” para mim já estava escrito e mais que escrito. E foi por essa razão que o comecei a enviar a editoras há quase dois anos. Na altura que terminei de o rever, senti que era um bom livro, o melhor que sabia fazer naquele momento, mas também sabia que tinha lacunas. No entanto, como sempre disse, há um momento em que temos de parar de mexer na história, um momento quem que temos de decidir que «Chega!».
Há uns meses atrás, como aqui referi, as dúvidas regressaram. Talvez por culpa das rejeições editoriais, ou talvez porque o “Angel Gabriel” é o meu primeiro ‘bebé’ e eu desejo-o perfeito (apesar de saber que tal é impossível, pois não creio na perfeição). Mas neste fim-de-semana fez-se um pouco mais de luz. Eu já tinha conhecimento de quais as falhas do livro, só não tinha ainda percebido totalmente como solucioná-las. Mas graças à conversa com a ACSilva penso ter chegado a um entendimento comigo mesma em relação a isto.
Vou alterar o início de “Angel Gabriel” (3 ou 4 capítulos), trocar algumas cenas de lugar e introduzir uma ou duas cenas novas no meio. Desta forma acredito que o início será mais forte e também as personagens, incluindo os vilões.
Se calhar não devia fazê-lo. Devia deixar estar quieto o que já está terminado, mas vou tentar isto uma última vez e então sim digo »Chega!».
Por isso, ACSilva obrigada por me ajudares a desatar alguns nós narrativos.

Aparte disto, a revisão de “Dragões e seus Sacrifícios” decorre a passo moderado (demasiado, talvez) e sem grandes revelações. No início da trama notei que usava muito do «contar» e pouco do «mostrar», mas à medida que a história foi avançando a minha escrita ajustou-se um pouco e já não cometi esse erro. “Show, don’t tell”!

E vocês, caros leitores, preferem uma história que vos é contada ou mostrada por palavras? Ou seja, preferem que vos diga «ela ficou zangada» ou ela fechou os punhos, cerrou os dentes e virou o rosto, incapaz de o encarar»?

 

*English version will be available in a few days. Sorry for the inconveninece.*

Primeiro instinto * First instinct

Semanário 167

Durante a revisão de um conto, que havia submetido à Fénix fanzine, uma das mudanças que me foi sugerida fez-me pensar que, por vezes as melhores ideias são as primeiras. Isto porque a mudança sugerida era exactamente a minha ideia original, que depois acabei por alterar por me parecer mais … lógica, mas que afinal de contas não era a melhor.

Muitas vezes … ou melhor … SEMPRE que tenho uma nova ideia, para conto, romance ou banda desenhada,  a história original é uma, com vários pontos de referência. No entanto, à medida que vou explorando a ideia, seja através de apontamentos, resumos, pesquisa ou mesmo a escrita propriamente dita da história, a trama vai-se alterando. Por vezes as mudanças são subtis, mas outras vezes são drásticas. O que noto, cada vez com mais frequência, é que quanto mais velho um projecto é (ou seja, quanto mais velha a ideia original é), mais estas mudanças são gigantescas, chegando mesmo a alterar quase por completo o conceito original (ou pelo menos as sub-tramas).

Conforme a situação, estas mudanças de ‘atitude’ perante a história podem ser excelentes ou devastadoras. De tanto pensarmos num determinado problema ou assunto, por vezes achamos que ao alterarmos a raiz estamos a fazer o melhor, mas podemos não estar e o resultado pode ser catastrófico.

Felizmente não foi o caso do conto que escrevi e revi, de nome “A Dança das Letras“, mas a situação fez-me pensar noutros casos.
Este tema parece-me por isso interessante e é possível que brevemente escreva um post dedicado só a isso (que vos parece). Por hoje fica também um apontamento que, além das revisões do conto, revi mais um pouco de “Dragões e seus Sacrifícios“, mas nada de muito notório.

E vocês, já alguma vez tiveram uma ideia e depois mais tarde alteraram-na de tal forma que quase deixou de ser a mesma?
Deixem os vossos comentários.

 

*English version will be made available tomorrow*

O calor amolece-me as ideias * The sun softens my ideas

Semanário 166

Regressa chuva! Ou pelo menos, Regressa tempo mais ameno!
Não me atirem pedras por favor. Posso bem ser das poucas pessoas que prefere a chuva ao sol, o Outono ao Verão, mas este calor mata-me!
Parece que me frita os pensamentos, quais ovos estrelados em frigideira escaldante.

E porque o calor só agora chegou (e este também faz falta), começo por anunciar o vencedor do passatempo Zona Nippon 1: Vitor Frazão. Parabéns mais uma vez, Vitor. E correndo o risco de me tornar monótona, volto a agradecer a participação de todos. Bem gostava de poder oferecer um volume a cada um, mas tal não me é possível.
Fica no entanto aqui um ‘apelo’ para quem leu ou vai ler a Zona Nippon 1: Adoraria saber a vossa opinião sobre o “Não Alimentem a Caveira“.

Mas porque não é só de passatempos que vive uma escritora rapariga que escreve por gosto, há que informar que as revisões prosseguem a passo lento (ao menos evolui de caracol para lento, acho que já é algo, não?). Muitas correcções, algumas ideais a serem implementadas ao longo da narrativa, muitos auto-conselhos que se resumem a um simples “Show, don’t tell” e vários cortes sangrentos (não fossem estes feitos a vermelho). Fico com dores de cabeça só em pensar no trabalho que isto ainda vai dar. E andava eu a propagandar que ia querer terminar isto antes do fim de Junho. Quem queria eu enganar?

Com tudo o isto o que resta é uma saudade de escrever, porque isto de fazer revisões não equivale a escrita criativa, pelo menos para mim não. Daí que esteja a considerar fazer o Camp NaNoWriMo em Agosto, não para escrever um romance (que isso acho que não devo nem consigo nesta altura), mas para escrever vários contos. Assim posso sempre intercalar com a revisão. Mas, eu ainda conoto terminar a revisão do “Dragões e seus Sacrifícios” antes de Agosto.
Consigo? Claro que sim. Só depende da minha dedicação e … vejamos … uma recompensa ao fim do prazo.
Aceitam-se sugestões de auto-prémios (nada de dispendiosos que estou em contenções), mas gostava de saber se vocês se premeiam quando chegam ao fim de um objectivo (literário ou não) e sim, que tipo de recompensa oferecem a vocês mesmos? Um tablete de chocolate? Uma massagem? Um dia num local especial? Um jantar fora? Um livro novo? Ou uma simples soneca?
Deixem os vossos comentários, por favor.

*ENGLISH*

Weekly 166

Come back, rain! Ora t least, come back amiable weather
Don’t throw rocks at me, please. I may be one of the few people who actually prefer the rain to the sun, Autumn to Summer, but this heat’s killing me!
It feels like it’s frying my thoughts, like eggs on a scorching frying pan.

And because the heat has only now arrived (and we need it), I’ll start by announcing the winner for Zona Nippon 1: Vitor Frazão. Congratulations once more, Vitor. And taking the chance of sounding monotonous, I’d like to, once more, thank everyone’s participation. I’d really like to offer you all a volume, but that’s not possible at the moment.
Still, I’d like to ask those who’ve read or are going to read Zona Nippon 1 to tell me their opinions on “Don’t Feed the Skull”.

But because the life of a writer girl who loves to write isn’t just about contests, I have to report that the revisions are proceeding at a slow rate (better than the super-slow rate from the last weeks). Lots of corrections, some ideas to be implemented along the narrative, lots of written self-advices that can be summed up in a simple “Show, don’t tell” and several bleeding cuts (they’re in red and all). I get headaches just by thinking the work this is still going to entail. And here I was saying that I was going to finish this by the end of June. Who was I kidding?

And with all this what’s left is a sort of longing for some writing sessions, because this revision-thing does not equate writing, at least not for me. And that’s why I’m considering doing Camp NaNoWriMo in August, not to write a novel (which I don’t believe I can or should do at this time) but to write several short-stories. This way I can always do both tasks: revision and writing. Yet I’m still hoping to finish “Dragon’s and their Sacrifices” before August comes up.
Can I do it? Of course I can. It’s only dependent on my resolve and … well … some reward at the end of the deadline.
So I’m taking suggestions on self-rewards (nothing expensive at this time), and I’«d like to know if you reward yourselves when you reach an objective (literary or otherwise) and if so what kind of prize do you give yourselves? A chocolate bar? A day on a special place? A night out? A new book? Or a simple nap?
Leave your comments, please.

Nos meus outros blogs * On my other blogs:
Convite para lançamento de “Soberba Tentação”;
3º Encontro do Clube de Leitura de Braga;
– “Como Não Escrever um Romance“, de Howard Mittelmark e Sandra Newman;
Vermelho Sangue – Screenshot?, uma ilustração

As notícias que não são notícias * The news that aren’t news

Semanário 165

Não basta este atraso (que parece estar a tornar-se a regra e não a excepção), movido quase exclusivamente pelo esquecimento, mais do que pela falta de tempo (felizmente já disponho de um pouco mais de tempo, mas só esta semana porque na semana anterior a azáfama repetiu-se), mas também não posso dizer que este registo traz algo de interessante e novo.

Na semana passada referi que poderiam existir boas notícias no futuro. Pois esta semana posso dizer que as boas notícias já estão confirmadas, mas infelizmente ainda não as posso revelar. Infelizmente não consigo manter-me calada, por isso ando para aqui a falar mas não digo nada e vocês se calhar ficam mas é irritados com o “diz que não disse”.
Posso no entanto adiantar que não se trata da publicação de um dos meus romances (quem me dera!), mas é algo que me alegrará muito partilhar convosco em breve (imagino que na próxima semana já o possa fazer).

Entretanto resta-me lamentar o facto de não ter feito nada na semana passada, no âmbito literário. Eu bem tinha dito que queria fazer a revisão do “Dragões e seus Sacrifícios” até ao final de Junho, mas pelo andar das coisas isso não vai ser possível. Ou será?
Resta-me pedir-vos um pouco de paciência. Acredito que as coisas estão a mudar. Se para melhor ou pior, só o tempo o dirá.

*English*

If the lateness of this post was not enough (and this seems to be turning into a rule rather than an exception), almost exclusively due to forgetfulness and not lack of time (luckily this week I have more free time, unlike last week and the previous ones), but also I can’t say this report comes with anything new or exciting.

Last week I mentioned that good news might come soon. Well this week I had confirmation that those good news come to be, unfortunately I still can’t tell you what it is. But alas, I can’t keep my mouth shut, so here I am saying but not saying anything really, and you’re all probably angry at me.
I can, however, tell you that it’s not about me finally getting a novel published (I wish!), but it’s something that I’ll love to share with you soon (I imagine next week this will be possible).

In the meantime all I can do is regret the fact that I did nothing related to writing in the week that passed. I had said that I wanted to finish the revision of “Dragon’s and their Sacrifices” before the end of June, but as things are that will not be possible, Or is it?
All I can do is ask for your patience. I believe things are changing. For better or for worse, who knows?