Arquivo da categoria: Dose diária

NaNoWriMo 2014 – Diário 17

Chegou então o dia em que não consegui cumprir o mínimo diário (1667 palavras). Já tardava!
Não é por falta de vontade, mas porque simplesmnete estou cansada demais. Amanhão vou levantar-me um pouco mais cedo e compensar. Hoje fico-me pelas 1343 palavras que debitei entretanto. No total somo agora 34145 palavras. ainda assim vou adiantada, mas estava mesmo a tentar nâo ter nenhum dia com menos de 1667, mas lá terá de ser.

Até amanhã! Leiam muito e escrevam muito.

P.S.: Já me ia esquecer de dizer que o Lisboa no Ano 2000, a antologia onde tenho publicado o Electro-depenedência, recebeu Distinção do Público de Literatura Fantástica Portuguesa (Prémios Adamastor do Fantástico). Obrigado a todos os que votaram no Fórum Fantástico! E parabéns a todos os autores que participaram nesta antologia, e à editora, claro está.

P.S.2.0:  Entrevista com perguntas de leitores AQUI. Opinião de uma nova leitora de A Última Ceia, AQUI.

Anúncios

NaNoWriMo 2014 – Diário 16

Por culpa da epifania de ontem, hoje senti necessidade de me sentar e escrever pormenorizadamente o curso que a história vai tomar daqui para a frente. Pois embora o esqueleto permaneça igual, várias coisas mudaram. É sempre estranho, e ao mesmo tempo fascinante, ver como aquilo que ao princípio assumimos que não poderá mudar na história acaba por se transformar em algo mais e assim alterar outras coisas que parecem completamente desconxeas. E numa história que eu pretendo que tenha vários volumes, a coisa ainda se complica mais. Mas adoro isto! E acho, sinceramente, que as mudanças melhorarão a história, ajudarão a dar vida às personagens. Logo veremos se será isso mesmo que acontece.

Assim sendo o dia foi passasdo mais a planear do que a escrever cenas específicas, mas mesmo assim escrevi umas quantas bem interessantes, que mais tarde vou explorar ainda melhor (escrevi-as antes de acontecerem cronologicamente por isso voltarei a elas no devido tempo).
Estou contente com o que fiz hoje. Estava a precisar organizar a história, embora saiba que à medida que vou escrevendo pequenas coisas ainda vão mudar. Para começar porque tenho muitas cenas fortes em emoções e tenho que meter algumas mais leves para contrabalançar. E essas eu não planeie ainda bem.

Ao décimo sexto dia fecho a contagem com 32802 palavras, o que faz mais 2501 que ontem.
E eu disse-vos que hoje ia matar uma personagem, mas com esta mudança de planos acabei por ainda não escrever essa cena em específico. Fica para amanhã.

P.S.: Passei o dia a ouvir isto, e ainda não me cansei. Raios!

NaNoWriMo 2014 – Diário 15

Sábado foi dia de mais um encontro dos ninjas do norte (grupo de escritores que participam no NaNoWriMo e se reúnem sempre que podem para conversar e escrever).
Acordei com uma dor de cabeça tremenda, e acabei o dia com uma outra dor bem semelhante, mas felizmente ao longo do dia não fui incomodada por nenhuma das duas (ou talvez fossem uma só, quem sabe?).

Não escrevi tanto como queria mas mesmo assim hoje passei a meta das 30000 palavras. Já vou nas 30301 palavras, o que significa que hoje teclei 2399. Nada mau!
Cerca de metade foram tecladas durante a tarde, por entre conversas com amigos e muita galhofa. Metade da tropa estava no sul, no Fórum Fantástico, mas os que estiveram no Porto chegaram para fazer a festa e passar uma excelente tarde na Farggi.

Mas não foi só do que escrevi que foi feito o meu dia, pois algures no fim do dia tive uma epifania maravilhosa. Fez-se luz! Sabem quando surge uma ideia que faz tanto sentido que nos surpreende como não tinhamos pensado nisso antes? Foi uam situação assim.
Mas, bolas, uma das minhas personagens que se prepare porque isto são mais más notícias para ela. Coitadinha, vai sofrer muito antes de ter o seu final fleliz. E caso se estejam a perguntar: não, não falo da Alana, a protagonista deste primeiro livro. E a epifania nem sequer tem tanto a ver com este “Água Mole em Pedra Dura”, quanto terá a ver com os livros seguintes. Isto de estar a tentar escrever uma série é complicado. Espero não me estar a meter em algo que não consiga terminar porque eu detesto deixar as coisas a meio.

Enfim, dia produtivo, a vários níveis.
Amanhã vou tentar escrever mais, logo de manhãzinha, porque tenho uma série de cenas na cabeça que eu simplesmente tenho de escrever o mais rapidamente possível, para o sentimento de novidade não passar e a vontade também.
E preparem-se, amanhã de certeza que vou dizer que matei uma personagem. Ai que eu sou tão má!

Até lá!

NaNoWriMo 2014 – Diário 14

Hoje foi, até agora, o dia em que mais me custou chegar à contagem satisfatória. comecei a escrever já muito tarde e tinha as vistas cansadas. A verdade é que nun instante terminei a cena que queria escrever mas estive para desistir várias vezes e ir dormir. Mas persisti.

Escrevi então uma cena embraçosa envolvendo dois jovens que são apanhados pelos pais de um dos jovens a fazer coisas que não nomearei neste post. Usem a vossa imaginação. XD

NanoWrimo – Contagem até aqui: 27902 palavras, 1987 das quais neste 14º dia.

Até amanhã!

NaNoWriMo 2014 – Diário 13

Minha nossa! Como estou cansada. Isto de perder horas de sono não funciona lá muito bem comigo. Sou assim um bicihinho que adora dormir as suas oito horinhas, Nem mais, nem menos! Tirem-me isso e fico meia desnorteada. Felizmente só noto à noite. Não me afecta o trabalho, senão teria de abdicar da escrita em prole da produtividade. Uma pessoa tem de trabalhar para sobreviver, afinal.

Ora, o décimo terceiro dia não foi de todo azarado (afinal nem é sexta-feira 13 nem nada). Numa cena pus o meu imortal brasilero a … bem … a fazer uma cena porque tinha medo de andar de avião (culpem o oceano atlântico, por favor). E ainda na mesma parte da história pus o meu anjinho, Nanael, a mostrar as garras numa cena de ciúmes. Oh, eu gosto tanto do Nanael! Quanto mais não seja pelo nome. faz-me lembrar “nanar” e isso lembra-me o sono e ZZZZZZZZ

13º dia: 25915 palavras, 1938 das quais escritas hoje.

E com isto vou-me deitar, que o dia amnhã começa cedo!

NaNoWriMo 2014 – Diário 12

Bocejo. Bocejo. Bocejo.
Hoje estava a tentar escrever e era só isto que conseguia fazer: bocejar.

Custou-me começar mas depois a coisa até correu bem. A música levou-me, primeiro, a escever uma cena que acabou por ser mais deprimente do que contava. E com a mudança da banda sonora alterei também de tom e passei para outra parte da história (ou terá sido o oposto a acontecer?). Já há três dias que tinha esta parte da trama na cabeça e acho que consegui passá-la bem para o papel (ou documento digital, conforme queiramos ver a situação). Mas como ainda não reli nada do que escrevi, não faço ideia se o produto final vale alguma coisa.
O NaNoWriMo é assim mesmo. O editor interno foi de férias e só pode voltar no fim do mês.

Contagem final para o 12º dia: 23977 palavras, ou seja, mais 1736 que ontem.

Até amanhã!

NaNoWriMo 2014 – Diário 11

Dia de São Martinho, dia de comer castanhas. Vocês comeram as vossas? As minhas souberam-me pela vida. Adoro castanhas!

E porque Novembro não é só NaNoWriMo, aqui ficam algumas novidades recentes:
Lobo & Dragão, a minha nova banda desenhada, já vai na página 14. Acompanhem esta nova aventura!
Angel Gabriel – Pacto de Sangue está nomeado para os novos Prémios Adamastor do Fantástico, nomeadamente na categoria de livro e Distinção do Público de Literatura Fantástica Portuguesa (que será votado durante o Fórum Fantástico 2014). Alguns dos meus contos também estavam na lista para o Prémio Ficção Curta mas os finalistas ainda não foram revelados.
– Duas novas opiniões sobre A Última Ceia, o meu conto disponível gratuitamente: opinião da Denise e da Ana Pereira.
– Já foi revelado o vencedor do passatempo Pack de livros de Ana C. Nunes, que decorreu no blog Livros nas Estrelas. parabéns Rui Lourenço! E foi divulgada também a resposta à pergunta colocada pelo vencedor.

Voltando então ao NaNoWriMo, hoje (dia 11) terminei com 22241 palavras, o que perfaz mais 1919 que no dia anterior.
A cena que escrevi hoje foi um pouco dolorosa, embora tivesse começado engraçada. É um momento de viragem da trama e há ali muita tensão entre o Giorgio (o vampiro) e a Alana (a kitsune).

Quem por aí está a escrever? Como tem corrido isso do exercício criativo?