Caneta, Papel e Lápis

Um blog sobre escrita criativa, de Ana C. Nunes (A blog about writing fiction, by Ana C. Nunes)

NaNoWriMo Semana 1 (Semanário 133)

3 comentários

(Estes post fala do meu avanço na escrita do romance temporariamente intitulado “Não Apodreças nos meus braços“.)

Como seria de esperar. na 2ª feira, 31 de Outubro, andei a correr para tentar ainda delinear algumas coisas da história antes que chegasse a meia-noite e com ela o NaNoWriMo.
Antes da meia-noite ainda tive tempo de definir mais alguns pontos da história e desenhei um mapa muito básico do ‘mundo’, inventando à pressa nomes de países que poderei vir a mudar mais tarde, mas que para já servirão o seu propósito.

Mas vamos ao que interessa; como correu a primeira semana do NaNoWriMo?

DIA 1:
A ‘festa’ começou exactamente às 00h00 do dia 1, em sincronia com os participantes portugueses que estavam no skype àquela hora.
Entre a meia-noite e as duas menos um quarto, escrevi 2180 palavras e depois ‘fechei portas’, pois no dia seguinte tinha de me levantar para apanhar o comboio em direcção ao Porto e à primeira NaNoMeet oficial do ano. A tarde correu muito bem, com pessoal super animado e ainda deu para escrever até às 4000 e poucas palavras no café. Depois mais quase mil na viagem de regresso a casa e fiquei com 5002 palavras antes das 20h30. O meu primeiro dia de cinco mil palavras do ano! (todos os anos tento fazer pelo menos um dia com cinco mil palavras escritas) Mas não fiquei por aí e até à meia noite do primeiro dia, tinha escrito 5980 palavras.
—–Mas falando dos problemas e alegrias que encontrei durante este primeiro dia em contacto com a história, posso dizer que excepcionalmente fácil entrar na história, algo que não é costume acontecer quando início um novo projecto, especialmente um para o qual não tinha tido grande possibilidade de me preparar. Jored é uma personagem um pouco diferente do que estou habituada a escrever e por isso foi tão estimulante como aterrador. Tenho medo que ele transpareça nas páginas como um ‘franguinho’. Uma cena que ficou mesmo na memória neste primeiro dia foi o primeiro encontro entre Jored e Velna, onde tive de descrever uma dança do ventre. Para isso ouvi alguns álbuns com a música e deixei que as palavras fluíssem ao som da dança. Foi muito divertido e relaxado. Não é a primeira vez que deixo que a escrita seja companhia da música e de ambas as vezes gostei muito da simbiose que é possível criar entre os dois. Falta-me ainda referir que quando finalmente me fui deitar, não consegui parar de pensar na história e no que teria de alterar na altura da revisão 8sim, comecei cedo!), e as alterações prendiam-se quase unicamente com o facto de eu querer tornar a história mais engraçada. Eu sabia que ia ter dificuldade na comédia!

DIA 2:
Aproveitei a manhã livre para escrever um pouco, e antes do almoço tinha 7059 palavras. Só à hora do lanche (que fui a casa entre horário de expediente) é que regressei ao documento e ainda consegui escrever até ás 7702 páginas. Logo ali fiquei contente por ter chegado ao mínimo para o dia, mas prometi a mim mesma que ainda ia tentar escrever mais antes do fim do dia. Assim, quando regressei a casa depois de um dia de trabalho, lá escrevi até chegar às 9288 palavras, quando faltava 1 minutos para a meia-noite. Ou seja, no dia todo escrevi 3308 palavras.
—–Com vista no que tinha pensado no dia anterior ao deitar-me, tentei tornar o tom da história um pouco mais cómico, embora na fase da história em que estava, tal coisa fosse difícil. como tive de escrever um flashback (ainda não sei se na revisão vou manter o flashback, ou simplesmente começar a história no passado) acabei por desvendar cenas bem hilariantes, muitas das quais não estavam planeadas, incluindo algumas com um estranho Pégaso que tem a mania que é o ‘macho’ do sítio. No entanto acho que lhe dei um pouco de protagonismo a mais. Algo que vou ter de rever noutra altura (revisões!).

DIA 3:
O dia começou mais tarde pois estava verdadeiramente estafada. Daí que o meu objectivo para o dia fosse escrever o mínimo diário ditado pelo desafio (1667). Tal como no dia anterior, aproveitei um pouco da manhã, a hora do lanche e mais tarde a noite (depois das 21h) para escrever e qual não foi a minha surpresa quando cheguei ao final com um total de 12072 palavras. Assim sendo neste dia escrevi 2784 palavras, o que é bastante mais do que me tinha proposto a fazer. Fiquei logo contente e dormi mais descansada por estar bastante adiantada.
—–Este foi um dia bizarro para mim porque quase todas as cenas que escrevi não estavam planeadas. O que mais me surpreendeu foi a forma como a Morganda (vilã principal) decidiu agir no início. O mais interessante (para mim, claro) é que isso só a torna mais rica e complexa, em vez de a vilá monótona que eu temia que viesse a ser. Noutra nota tive de fazer um pouco de pesquisa sobre bruxas e descobri algumas coisas muito interessantes, metade das quais não usarei por não ver necessidade para tal, mas que ficam para referência futura.

DIA 4:
Este dia foi um bocado diferente, pois como estava a fazer outro turno no trabalho, não tive a manhã para escrever e só me pude mesmo dedicar à escrita a partir das seis da tarde, mas foi suficiente. O meu objectivo para o dia era chegar às quinze mil palavras (só porque me apetecia), mas estava com receio de não conseguir (não que precisasse, porque estou bastante adiantada). Para minha surpresa lá cruzei a meta alguns minutos antes da meia noite e terminei do dia com 15147 palavras. Contagem do dia: 3075 palavras.
—– Comecei a ficar um pouco preocupada por achar que o flashback estava demasiado longo (na verdade só o terminei no dia 5, por isso imaginem o quão longo ficou), mas deixei-me levar pelas cenas e pelas personagens. isto permitiu-me mostrar um outro lado do protagonista que não tinha sido tão bem mostrado anteriormente (por força da acção) e desenvolver relações. Também neste dia escrevi uma cena de acção, que não sei se ficou suficientemente bem contada (foi a sensação que ficou). Mais uma coisa que terei de acertar na revisão. E quase me esquecia de dizer que matei 4 personagens.

DIA 5:
O quinto dia foi o primeiro sábado do mês e isso, para mim, é sinónimo de encontro com os nanoninjas do Porto. Antes de sair de casa não escrevi nada, mas durante a viagem comecei em força e durante a tarde, com dois contra-relógios de 30 minutos cada, a contagem subiu até eu ter a certeza de que is conseguir mais um dia acima das cinco mil palavras. Fomos mais do que o habitual nos encontros de segunda feira e vimos pelo menos uma cara nova e outras que já não se viam desde o ano passado. Foi muito divertido e, claro, escrevemos muito.
Na viagem de regresso a casa ainda escrevi mais umas quantas palavras, mas foi só em casa que realmente ultrapassei as cinco mil e continuei até terminar o dia com uma contagem total de 21417 palavras. O que resulta num grande total de 6270 num só dia (e que ainda assim não bateu o meu record pessoal do ano passado).
—–Apesar de extremamente produtivo, este dia foi também para mim um pouco difícil. Fiquei ’empancada’ várias vezes, ainda no flashback, e isso deixou-me muito desmotivada. No entanto com os contra-relógios (no primeiro escrevi mais de 1300 palavras e no segundo mais de 1150) consegui sair do ‘buraco’ e avançar com a história. Finalmente larguei do flashback e voltei ao presente, pro assim dizer. Dessa forma também pude passar a cenas mais divertidas que ajudaram a que me sentisse melhor com a história. O que não quer dizer que não tenho gostado de como finalizei o flashback, simplesmente acho que deixei escapar o momento certo para terminar as coisas da melhor maneira. Enfim, podem ser só preocupações desnecessárias. Não seria a primeira vez que durante o NaNoWriMo julgava odiar uma cena e depois ao relê-la, em Dezembro, acabasse por adorá-la. Por outro lado foi também neste dia que tive oportunidade de explorar mais algumas peculiaridades do mundo que apresento nesta história, pois as personagens mudaram de país e este é bastante mais ‘exótico’ que os anteriores, dando-me mais liberdade criativa.

DIA 6:
Este foi o primeiro dia em que me permiti relaxar um pouco. A verdade é que queria ter chegado às vinte e cinco mil palavras no fim-de-semana, mas distraí-me a ver séries (“Fear Itself”) e no fundo acho que me fez bem, pois também precisava descansar um pouco depois de dias a escrever a duplicar/triplicar/quadruplicar. Afinal já ia bem adiantada. Ainda assim, apesar de relaxar mais, consegui ultrapassar o limite mínimo que o desafio pede (1667) e acabei o dia com um total de 23501 palavras, o que dá um total diário de 2084.
—–Em termos de enredo tive oportunidade de trabalhar em mais cenas de exposição do mundo (uma que gostei particularmente sobre uma tartaruga vermelha) e também de introdução de novas personagens. Foi a vez de Misbah surgir da sua lâmpada mágica e foi uma cena que me fez partir a rir. Eu sei que como autora devia saber comportar-me, mas a ideia surgiu do nada e usei-a porque era perfeita para a situação e para as personagens.

Resumindo, foi uma primeira semana de NaNoWriMo em pêras! Escrevi até agora muito mais do que tinha escrito até à mesma data no ano passado (até hoje foi o meu melhor NaNoWriMo) e estou a um pulo das vinte e cinco mil palavras.
A razão porque estou a ‘correr’ a este ritmo está relacionada, não só com o que desejar aproveitar enquanto estou com a ‘pica’ toda, como porque tenho a certeza que 50.000 palavras não vão ser suficientes para terminar a história (e isso está mais que claro, tendo em conta o local cronológico da trama em que estou agora, que é muuuuuito atrás do final). A ser sincera comigo mesma, acho que nem 100.000 vão chegar e isso assusta-me!

E os restantes participantes, que têm a dizer? Está a correr bem, está a correr mal? Os vossos personagens tomaram conta da história ou as coisas vão conforme planeadas?

Nos meus blogs Floresta de Livros e Asas da Mente:
– “The Good Ghouls’ Guide to Getting Even“, de Julie Kenner;
Incentivo 6, ilustração;
NaNoWriMo 2011;
– Garnath e a Bola de Cristal – Página 13;
-“O Médico e o Monstro“, de Robert Louis Stevenson;
– Compras – Outubro 2011;

No exterior:
Facing Rejection from a Publisher, no Rhemalda Publishing;
The No-Stress Outlining, no The Book Designer;
Should You Ever Use Unusual Narrative Forms?, no WordPlay;
Behind the Scenes: Condicionamento, no Crónicas Obscuras;
Most Common Mistakes Series: Do Readers See Your Characters the Way You Want Them To?, no WordPlay;

Autor: Ana C. Nunes

I love to write, read and draw. I write novels, draw characters and, sometimes, graphic novels or comics.

3 thoughts on “NaNoWriMo Semana 1 (Semanário 133)

  1. Parece bem divertido esses encontro de NaNos. Anyway, embora eu consiga atingir a média de 1667 por dia, eu comecei 4 dias atrasados. Já está ficando desesperador, pq nunca tenho tempo para chegar às 3300 e começar a empatar o jogo.

    E tal como vc, tb acho que 50.000 não será suficiente para minha história:/

  2. Pingback: NaNoWriMo Semana 2 (Semanário 134) « Caneta, Papel e Lápis

  3. Pingback: Ilustração de Rui Alex « Caneta, Papel e Lápis

Comente / Comment

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s