Caneta, Papel e Lápis

Um blog sobre escrita criativa, de Ana C. Nunes (A blog about writing fiction, by Ana C. Nunes)

Momentos 02

6 comentários

momentos_01Hoje algo mais polémico …
Polémico? Eu não quero cá coisas dessas!
Quantas vezes já te disse para não me interromperes?
Já perdi a conta …
Pois então cala-te!
Mas essas coisas dão sempre barraco. As polémicas, claro está …
Exactamente!
Queres problemas?
O que é a vida sem um problema ou dois?
Uma maravilha … talvez …
Bah! Isso é para covardes.
Tu não tens emenda …
E tu és uma insuportável do cara&%$
Mal educada!
Antes isso que uma insossa que tem medo de dizer palavrões.
Eu não tenho medo! Só não gosto … é porco!
Porca és tu!
Eu não estava a falar de ti!
Vai dar no mesmo,  sua …
«Programa interrompido por problemas técnicos. Regressamos assim que tudo voltar à normalidade.»

Recentemente vi-me confrontada com um dilema estranhamente polémico (não muito, mas prontos).
Acho que já aqui referi que no Angel Gabriel escrevi não uma, mas duas cenas de sexo. E o meu dilema reside exactamente aí!
Depois de pensar um pouco no assunto dei-me conta que nunca li, num livro, uma cena de sexo pormenorizada. Deixem-me explicar … nunca li nada que fosse muito além do “ele possuiu-a com ardência“. Para meu espanto, nem naqueles pequenos romances que vinham junto com a “Maria” e a “Ana“, que podem ser chamados de romances eróticos, eu vi cenas descritas ao pormenor.
O que quero então saber é: Até que ponto posso descrever uma cena destas sem correr o risco de o romance ser etiquetado de “erótico” ou “pornográfico?
Será que nos tempos em que vivemos os leitores ainda são tão púdicos que não aguentam ler uma ou outra cena sexual realisticamente descrita, sem pensarem demasiado no assunto e a cataloguarem como “pornográfica”?

Andei a pesquisar na web, porque pode ser pura coincidência que a literatura que consumo não tenha esse tipo de situações, mas sinceramente fiquei a saber o mesmo.
Por isso, correndo o risco de ouvir o que não quero, pergunto a vocês … conhecedores da literatura (sim tu aí que nem lês muito, mas percebes alguma coisa) até onde pode ir a descrição de uma cena sexual num livro para jovens/adultos? É que sinceramente se tiver de cortar no que escrevi vou chorar (ou pelo menos bater com a cabeça na parede).
Eu quero acreditar que vivemos numa sociedade que não rejeita um livro por causa disto, mas vá-se lá saber o que vai na cabeçoados outros.

E é este o tema polémico (nem tanto) … deixei-vos tão intrigados e no fim sai-vos isto, hem?
Não me batam!

P.S.: Aquelas duas vozes que aparecem no início destes “Momentos” são as minhas duas musas e o “comentador” é o terceiro muso (o único macho) que só se mete quando a coisa fica mesmo preta. Um dia fala-vos um pouco mais deste trio maravilha de arruaceiros.

Autor: Ana C. Nunes

I love to write, read and draw. I write novels, draw characters and, sometimes, graphic novels or comics.

6 thoughts on “Momentos 02

  1. Okay, já tive o mesmo dilema e cortei no sexo. LOL

    Agora a sério… quando comecei apeteceu-me gritar “OHG GO READ SOME FANFIC GIRL!111!!!”.

    Mas agora a sério. Devias ler Marion Zimmer Bradley, ela escreve cenas de sexo fantásticas. Especialmente no livro “A Colina das Bruxas”, aquele livro é só violações e sexo e cenas.

    Não sei se poderia ser considerado pornográfico. Mas o trabalho dela é certamente erótico. Agora na minha opinião, tudo depende do teu estilo de escrita. Se pormenorizas acções simples como, sei lá, uma discussão, então deves manter o nível de pormenor numa cena de sexo. Se és mais como eu e passas por ali a correr e nem te lembras de falar do tamanho do livro que tiraram da estante… aí não há hipótese, não podes pormenorizar a tua cena de sexo.

    É uma questão de consistência, acho.😀 Espero ter ajudado.

  2. Obrigada pelas dicas. E sim, eu sou das que descreve a grossura do livro por isso não tenho como escapar e por isso não queria cortar. Não que eu vá ser excessivamente descritiva, como aliás disse no post. Só não quero é ter de me limitar a um “atirou-a contra a parede e possuiu-a ali mesmo”. Percebes onde quero chegar?

  3. Oh sim… então não te limites! A sério, o livro é teu. Não te vendas por limitações desse género, se queres escrever de determinada forma e achas que melhora a qualidade do livro, deixa assim.😉

  4. Estava a ler o post e a lembrar-me exactamente do livro em que a Anna falou.

    Não sabendo exactamente em que idades situas o “jovem/adultos”, uma maneira de aligeirar a ideia de “pornográfico” é ter uma abordagem um pouco cómica. Nenhuma das cenas dos Friends, por exemplo, se tornou embaraçosa, dissessem eles o que dissessem.

  5. Vou ter de arranjar esse livro para ler, já que vocês as duas o sugerem.
    E obrigada pela dica, embora não saiba ao certo como tornar acena cómica num livro que é drama (sem comédia de espécie alguma) e a própria cena em si não tem lá muita graça (não posso entrar em pormenores).

  6. Pingback: Semanário 52 « Caneta, Papel e Lápis

Comente / Comment

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s