Caneta, Papel e Lápis

Um blog sobre escrita criativa, de Ana C. Nunes (A blog about writing fiction, by Ana C. Nunes)

Momentos 01

7 comentários

momentos_01Momentos? Que é isso?
Nem eu sei …  Olhem, encarem isto como uma nota de rodapé, um interlúdio, a publicidade chata que interrompe o vosso entretimento quando desfrutam de uma série / novela / filme.
Quê? Isso não faz sentido nenhum!
Pois … Estes são posts esporádicos e sem conexões de espécie alguma, que não o facto de estarem todo relacionados com escrita.
Mas isso é uma conexão.
Xiu! Que é isso? A estragar o meu raciocínio perfeito.
É pá, não dizes coisa com coisa.
Exacto! Viste como chegaste lá!
Quê?
Xiu! Cala-te e lê o resto.
Mas …
Xiu!

Um destes dias dei por mim a pensar nos livros que já tinha escrito. Tudo isto porque vi numa blog uma espécie de inquérito que tinha sido feito a escritores, em que se lhes perguntavam quantos livros tinham escrito antes de serem publicados pela primeira vez.

Eu ainda não fui publicada (como vocês devem adivinhar) mas dei por mim a olhar para trás.
Nenhum dos livros que eu escrevi até hoje considero sequer vendáveis ou daria a ler a alguém. A minha mãe, que me ama muito (obrigada mãe) está sempre a lê-los e a dizer que eu devia apostar neles. Eu só me apetece rir. Ela só diz aquilo porque acha que me faz feliz, mas esses “velhinhos” são para a gaveta, de onde nunca sairão. Muitos deles (ou mesmo quase todos) nem têm uma história central que eu possa aproveitar.
Na altura em que comecei a escrever (e a desenhar também) estava absolutamente fascinada pela banda desenhada americana, por isso podem imaginar o que muitos desses livros tinham como tema central … super-poderes, carradas e carradas de personagens de perder de vista, inimigos poderosíssimos mas que eram derrotados sempre pelo “bem”, etc., etc.

Claro que nem tudo ficou perdido e algumas das ideias até são boas, mas parece-me que nunca mais pegarei nelas porque as muitas mais “maduras” me preenchem o subconsciente dia sim, dia sim.

Mas voltando ao tema inicial … finalizadas tenho 4:
Extermínio (perdi mais de 3/4 da escrita quando o PC foi à vida, felizmente tinha a mania de escrever tudo à mão);
Memórias de vida perdidas (mini história, muito pouco desenvolvida);
Querido Diário (não o meu diário, o título é mesmo “Querido Diário”);
Surpresa inesperada (a mais longa de todas, mas carregada de diálogo)

Na verdade nenhuma destes livros passa das 100 páginas o que demonstra, só por si, que eu estava nos primórdios da minha escrita e que ainda mal sabia narrar. Todos eles estavam carregados de diálogos fortes, mas com muito pouca descrição.

Outros títulos, incompletos, desta fase da minha vida foram:
A destruição do Paraíso;
Espionagem perigosa;
Guerra espacial;
O mundo das peles;
Passado misterioso;
Queimar a vida.

Só nomes inteligentes e intrigantes, certo?
Se voltasse sequer a pensar em reutilizar algumas destas ideias seriam: “Extermínio“, “A destruição do Paraíso” e “Espionagem perigosa“. Mas o mais certo é não o fazer. Um deles não é bem o meu género de escrita e os outros, embora interessantes, precisariam de uma plástica muito bem feita para chegarem a ser apelativos.
Acho que me vou ficar pelas 1001 ideias alucinantes que me atravessam o cérebro a cada momento de vida.

Felizmente, com os anos, aprendi que o diálogo sozinho não fazia um livro e depois de uns anos em que desenvolvi estes e outros projectos que ficaram por acabar, fiz uma pausa! E que bem me fez essa pausa!

Quando regressei à escrita iniciei aquele que sei ser um dos melhores exemplos da minha escrita até hoje. Já teve muitos nomes mas neste momento está acarinhado de “Efeito dominó“.
13 000 palavras que não fazem mais que introduzir um mundo criado de raiz, com foco no racismo, na injustiça e na solidão. Se me orgulho de alguma coisa que escrevi até hoje, tem de ser deste inacabado trabalho.
Está parado! Não só porque sinto que ainda não regressei à escrita de excelência  desses dias, mas porque sinto que tenho que modificar alguns pontos fulcrais do enredo. Quando me sentir confiante o suficiente, darei toda a minha atenção ao meu projecto de eleição, não por ser o mais original, mas por ser o que me revelou que eu podia realmente escrever bem. Sempre que me sinto desanimada, abro o documento Word e leio um excerto. É o suficiente para me animar um pouco e me pôr de volta à escrita criativa noutros projectos.
Tenho pena que esteja parado, mas há-de chegar o seu dia. Há-de, há-de … (Me aguardem!)

Num aparte:
Este exame é certeiro! Muitos dos livros de fantasia que andam no nosso mercado falharia em menos de cinco perguntas. Eu conseguiria nomear uns poucos, mas não vou ser má e vou deixar que vocês decidam sozinhos se tenho razão ou não.
Vou confessar que o meu único “sim” de todo o questionário foi quase no final, quando tinha a parte de “as personagens passarem o livro todo a viajar”. Mas os meus viajam por pura necessidade. O mundo é grande meus amigos.

Autor: Ana C. Nunes

I love to write, read and draw. I write novels, draw characters and, sometimes, graphic novels or comics.

7 thoughts on “Momentos 01

  1. És fixe.😀

    E deste-me vontade de fazer o mesmo para as minhas histórias todas.

    E o Efeito Dominó soa-me muito WOW. Iria lê-lo, sem dúvida.

    Mas olha, parece que ambas sofremos de diletantismo crónico. Porque é que nunca acabamos nada, goddamnit?

  2. Num explicaste o porquê do título Efeito Dominó. O que é cruel, que deixas aqui uma pessoa às voltas com o enigma.

    E esse exame é uma pérola, sem dúvida. Não que eu o use para fins próprios. A razão oficial é porque me deixei dos rip-offs tolkianos. A razão verdadeira é porque estou à espera de conseguir responder “não” à primeira pergunta.

  3. Acabei de aprender uma palavra nova: “diletantismo” … nunca tinha visto antes. A gente está sempre a aprender.
    E faz o mesmo, que eu gostava de saber sobre os teus outros trabalhos.
    Vamos as duas fazer uma promessa de nunca mais deixar nada a meio (para sempre, ou seja, podemos fazer uma pausa, mas depois temos de regressar). Ou será que isso é muito pretensioso?

  4. No stress Rekoa, afinal este teste é talvez um pouco exagerado (mas dá para rir). Acho que responder sim a 2/3 perguntas não tem problema porque afinal o Tolkien não foi o inventor de todas estas coisas. Por exemplo, os nomes com apóstrofes já existiam muito antes dele, o facto de alguém os usar não significa nada. Mas eu achei engraçado porque há mesmo muitos livros por aí responderiam “sim” a 99% ou mesmo 100% do teste. Copycats!

    Quanto ao “Efeito dominó”, não vou revelar grande coisa porque sei que vou mudar certos pormenores, mas digamos que é sobre um mundo onde existe distinção entre duas raças, os seres humanos e os metamorfos (pessoas capazes de mudarem de aparência) e estes últimos são caçados constantemente numa guerra aberta que eles tentam parar a todo o custo. O título “Efeito dominó” surgiu-me no seguimento do tema central do livro, que é a vingança. Se odeias algo ou alguém e fazes de tudo para que eles paguem pelo que fizeram, mais tarde ou mais cedo vai tudo cair em cima de ti e é quase certo que o peso será demasiado para tu suportares. Pronto, mais não digo.

    Eu acho que tenho uma pequena “obsessão” com o tema da vingança, talvez porque ache que é o maior desperdício de energias que o ser humano despende. Vá lá eu entender o que me levou a usar isto como tema central de duas histórias: “Efeito Dominó” e “Vermelho Sangue”.

  5. Diletantismo, aprendi o que era quando dei os Maias (que não li).😀

    E… WHAT THE HELL? Proibir-me de deixar coisas inacabadas? Oh my, estou tão feita contigo.

    Alinho!

    Por falar nisso, chumbei nesse exame. *cries* Falho emocionalmente.

  6. Maias … olha aí está um livro que eu tenho de ler, já que quando o devia ter feito, armei-me em preguiçosa e deixei a meio (não contes a ninguém). E deixa lá! Falhaste … como toda a gente faz numa altura ou outra.

    E vamos lá ver quem quebra o pacto mais depressa … agora a sério, eu não vou começar nada que não tenha pretensões de terminar. Tu também deves ter mais ou menos a mesma lógica, ou não?

  7. Pingback: Branching Out « Fasten Your Fiction

Comente / Comment

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s